Jurassic Park - O Zênite de uma Paixão Nerd

30/11/2010 07:57

Muito antes de iniciar minha carreira gloriosa de achan, em que tenho um estilo de vida rockstar cheia de glamour e festas com modelos da victoria's secret, sonhava com uma profissão igualmente cheia de adrenalina e tesão: queria ser paleontólogo. Paleontologia é um ramo da ciência que estuda as formas de vida pré-históricas da Terra, incluindo suas relações com o meio-ambiente. A principal fonte de conhecimento da dessa ciência são os fósseis, evidências orgânicas preservadas por interações químicas com elementos minerais. A paleontologia, como ciência histórica, busca respostas em evidências, ao invés de elaborar teorias por meio da observação dos resultados de experimentações.

 

 

"Mas Hugão, isso é totalmente sem-noção e peganingas. Que tipo de infância perturbada é essa?" É muito fácil explicar em apenas uma palavra: DINOSSAUROS.

 

OUYEAH!!!

 

A minha obsessão por dinossauros me tornou a maior autoridade juvenil de todos os tempos em paleontologia, e minha tese acadêmica/romance de aventura de jardim de infância, "Jack Mcdinossaur detonando na Era Mezozóica" - injustamente negligenciada pelo prêmio Nobel Kids® - foi best-seller da banca da 107 sul por mais de 4 finais de semana seguidos. Gastei uma quantidade bestial de giz de cera retratando o meu dinossauro favorito, o euoplocéfalo, pertencente à família dos anquilossaurídeos, nas mais diversas atividades do dia-a-dia.

 

 

Minha paixão teria seguido o rumo natural das coisas e perecido - tal qual outras nerdices que ocupavam o meu tempo, como plastimodelismo, tae-kwon-do ou megadrive - porém um evento marcante deu-lhe uma sobrevida inesperada: Jurassic Park.
CARACASVÉI. Jurassic Park arreganhou os cinemas em 1993 e de uma hora pra outra todo mundo amava dinossauros. O fenômeno que foi este filme causou-me um êxtase geek intenso e violento, como o sexo oral entre tubarões brancos. De uma hora pra outra tudo que eu sempre li e imaginei estava lá, na tela. Os sons, os montes de bosta, a textura prateada da pele do tiranossauro sob a chuva, a carne humana dilacerada. Era tudo lindo. A expressão embasbacada de Sam Neil ao ver um Brachiosauro tomou conta da minha cara pelos próximos 10 meses.
A besta colossal do merchandising hollywoodiano espalhou bocarras babando fúria em praticamente qualquer superfície vendável do sistema solar. Enchi o saco dos meus pais para me comprarem o livro de Michael Crichton, mas alguém decidiu que não seria adequado para um pivete de 8 anos de idade. Colecionei uma enciclopédia em fascículos mensais, acompanhada por um tiranossauro de montar com um esqueleto
que brilhava no escuro. Completei o meu único álbum de figurinhas na vida, "The official Jurassic Park little figures collection from the motion picture."

 

Pronto, completei! Agora o que eu faço com esse ca$%lho comedor de dinheiro?

 

Apesar da manada de empresas serelepes mamando no sucesso do filme, inundando o mercado com um sem-fim de brinquedos, publicações, roupas, doces, material escolar e preservativos, o fogo de minha paixão rareou. Os quatro anos passados até a primeira sequência, "Jurassic Park - O Mundo Perdido", a puberdade palpitante e um senso de realidade desviaram meus interesses. O sonho de passar o resto da minha vida ajoelhado em um deserto mongol limpando caveiras de dinossauro com uma escova de dentes mingüou-se.
Vez e outra surgem rumores de mais uma seqüência para Jurassic Park, mas juro que o Hugãozinho dentro de mim já não se importa. Ele prefere, às vezes, correr pelos campos da Ilha Nublar com os Galimmimus, escutar a respiração do triceratops acometido por uma caganeira, ou se enfiar em um armário de louças segurando a respiração e torcendo para que os velociraptores cansem de brincar de escondeesconde. Mas não posso deixar de pensar que, se durante aquela noite de gala no inverno de 1989, "Aventura na Mesopotâmia", de Vivi Florzinha, não tivesse ganho o prêmio Nobel Kids®, minha carreira teria decolado. Maldita seja, Vivi, maldita seja.

 

Sua lambisgóia!

 

By Hugão, um achan afrente de seu tempo.

Ou atrás, sei lá...

Tópico: Jurassic Park - O Zênite de uma Paixão Nerd

dino

gus | 01/12/2010

Eu queria ser paleontólogo tb...

Novo comentário